terça-feira, 25 de agosto de 2009

A HISTORIA DE FRANCISCO,UM ALUNO SURDO QUE VIVE DO SILÊNCIO DA ARTE





Francisco, 18 anos, residente no Sítio Sapato, município de Tupanatinga, filho de pais pobres, tem um irmão que também é surdo, estuda a 2ª Série do ensino médio na Escola José Emílio de Melo e faz parte do Projeto de Inclusão Social.

Descobrimos em Francisco um artista nato que, apesar de não ter informações sobre o mundo da arte, está deixando as pessoas encantadas com os seus trabalhos de artes visuais.
Baseado neste fato, estamos necessitando de apoio para que esta arte não se perca. Buscamos auxilio para que possamos conseguir um material completo de pintura para Francisco, com o objetico de manter o trabalho autônomo ou ajudá-lo no sustento da família, assim como lhe construir uma casa.

Francisco e seus irmãos: Paulo (21 anos), Márcia (17 anos) e Mariano (14 anos), alunos da Escola José Emílio de Melo, têm baixa visão, a mãe faleceu vítima de câncer e logo após o pai os abandonou. Hoje a situação destes jovens tornou-se mais difícil, pois a casa onde eles moravam apresenta grandes rachaduras tornando impossível a moradia. Atualmente estão morando em um pequeno barraco no assentamento dos Sem-Terra.

DE UMA BOA FESTA, BOAS IMAGENS





































































































































































domingo, 23 de agosto de 2009

TUPANATINGA - Última Noite de Festa Bate Recorde de Público












Esta festa é também mágica porque a maioria dos casais se conheceram ou se encontraram por aqui.








Senhor Luiz Antonio com Sua Esposa Srª Gorete passeando vagarosamente pelas altas horas, lembrando como tudo começou...

As pessoas vão se divertindo de maneira simples e bem descontraída. Pelas calçadas, praças, dançam, sentam-se, afinal, a festa é de todos e para todos.















COM A PROCISSÃO ENCERRA-SE A GRANDE FESTA TRADICIONAL DE TUPANATINGA
..













Quarenta anos de Procissão de Fé e devoção a Santa Clara. Seus fieis tem orgulho de tê-la como padroeira e nome da Cidade. Escolha feita pelos Senhores Filipe Néri e José da Silva, fundadores da Vila Santa Clara, quando esta ainda pertencia ao munícipio de Buique.

Anos depois, quando a Vila emancipou-se, Santa Clara recebe a tradução indígena e passou a ser Chamada de "Tupanatinga", homenagem aos nossos primeiros habitantes, segundo o Jornalista da época, Mário Melo.


Procissão
A partir das 16 h da tarde de terça-feira, missa em frente a Igreja Matriz , celebrada pelo Pe. César e padres visitantes. Logo após, inicio da procissão.


O andor transportando a Imagem de Santa Clara pelas mãos dos Cristãos Católicos, fazendo um percurso pelas ruas principais do Centro: Pça Cel José Emílio de Melo, Rua São José, Bairro do Fundec, PE 270, retornando pela a Avenida 31 de Março. Vários hinos de louvor e uma multidão seguindo, como disse Gilberto Gil: "feito cobra pelo chão. Uns pedem Chuva pra molhar o chão, outros pedem saúde pra Maria e pro João, outros pedem prosperidade pra pagar a conta de Geová, e se Santa Clara ouvir tudo, a coisa aqui vai miorá."


































terça-feira, 18 de agosto de 2009

SÃO JOÃO EM ARCOVERDE , TRADIÇÃO E DIVERSIDADE CULTURAL



As festas tradicionais, quer sejam juninas, natalinas ou de padroeira são importantes por concentrarem maior número de pessoas da localidade e da região vizinha.
Cada vez mais assumindo importância histórica, estas festas também assumem sua importância cultural e econômica. A melhoria constante na economia e a melhor distribuição de renda do trabalhador provocam melhoria na qualidade de vida das pessoas, ocasionando mudanças de comportamento.
As pessoas hoje viajam mais, consomem com mais qualidade, vão a museus, assistem cinema e vêem teatro: Desenvolvimento econômico, educação, produção e consumo culturais se interligam, por isso que festas tradicionais são mais culturais, históricas e bonitas. É o caso de Arcoverde, Caruaru, Garanhuns e Gravatá.

Arcoverde está de parabéns, pela festa multicultural que já inspira outras regiões. O São João de Arcoverde é uma festa de referência internacional.


As festas juninas somam tradição com modernidade sem perder a alegria: Geração de todas as idades dançam quadrilhas, coco, ciranda, forro e todas as demais modalidades. Todos os anos, a festa faz grandes homenagens à cultura da região. O Reizado foi o tema central da festa. Importante para o resgate de uma cultura antiga, mas que encanta e é presente na tradição do povo brasileiro.
....

Presença do Diretor da Escola JEM, Luiz carlos e sua esposa Lena, Edimilson e Eliane no Forro Alto do Cruzeiro. No palco grande sanfoneiro animando com forró de todos os ritmos.








Realmente a festa de Arcoverde tem novidade e atração por todos os recantos. Para estas amigas o céu era o limite. Claudia, Eliane e Iolanda.





Edimilson e Eliane, contemplando a Paisagem nordestina. Uma casa de Barro, um pé de mandacaru... sem se falar nos botecos, na casa da poesia. Enquanto isso, no palco cultural, as meninas dançando a dança dos Indios. O toré.



Que lindo!... o bumba meu boi ou boi bumbá.
Eliane e sua cunhada Iolanda, ambas estavam alegres e contentes, tiraram fotos de todas as alegorias da festa. Para elas diversão e cultura juntos são momentos valiosos e saudáveis. Ficamos mais jovens.







E festa
continua com arte, pois beleza e criatividade faz agente sair da rotina.





Grande apresentação. Momento muito rico e mágico durante apresentação do grupo de dança indígina. A cidade de Arcoverde e região ficam com a identidade cultural mais fortalecida cada vez que eventos como este acontecem na Região.









Reisado é a denominação erudita para os grupos que cantam e dançam na véspera e Dia de Reis.
O Reisado chegou ao Brasil através dos colonizadores portugueses, que ainda conservam a tradição em suas pequenas aldeias, celebrando o nascimento do Menino Jesus. Em Portugal é conhecido como Reisada ou Reseiro. (Luis Câmara Cascudo)



Já conversamos demais e ainda não tínhamos chegado no FORRÓ. São João sem Forró é carnaval sem Frevo, è Bahia sem Axé, Zé sem mulé, Sanfona sem Gonzaga, São Paulo sem garoa, Cerveja quente, buxada sem cachaça, fim de feira sem briga, e forró tem que ser pé de serra:Zabunba, triângulo e safona e tocar só xote pra se dançar agarradim... "Que isso Cumpade?!! Tà vendo os sanfanero aí não?!! Oxente!!! Vamo chamá as cumade que você já tá é chei de mangaça."










segunda-feira, 17 de agosto de 2009

FINAL DO PRIMEIRO CAMPEONATO DE FETEBOL DE SALÃO AGITA TORCEDORES E OS ORGANIZADORES PROMETEM MAIS



O esporte em Tupanatinga estava, até então, esquecido pelo governo municipal. No entanto a iniciativa da Diretoria de esporte de resgatar o futebol de salão, realizando seu primeiro campeonato, trouxe grande alegria para torcida e para os nossos atletas.

Não dá para explicar o descaso para com o esporte já que temos tradição, talento e público: Dois ginásios de Esporte com estrutura invejáveis e preparadores físicos capacitados.

Os jogos foram realizados nos dois Ginásios, sempre com grande número de torcedores que participavam agitando e encorajando os jogadores.

Com o final do campeonato muitos dos torcedores já reclamavam com saudade das tardes de torcidas e encontro de turmas. Mas os Diretores, Quim e André, tranqüilizaram a torcida com a proposta de um outro campeonato.

O Prefeito Manoel Tome esteve presente quando fez a entrega dos troféus aos ganhadores, e prometeu fazer um governo com ações voltadas para melhoria do bem estar do seu povo.

Sendo o esporte uma dessas ferramentas que contribui para qualidade de vida do povo, principalmente da nossa Juventude, disse que não medirá esforço para sua ampliação, tanto nesta modalidade de futsal como nas demais: futebol de campo, vôlei, etc.



No passado o futebol de campo de Tupanatinga era destaque nos esportes tanto na cidade quanto na região. Naquela época a televisão ainda não tinha chegado à cidade. Nas tardes de domingo a parte da cidade que curtia futebol se dirigia ao campo de futebol, localizado na estrada que dar para Moxotó, para assistirem grandes campeonatos: nossos craques na época eram Marcos Lopes (hoje funcionário do banco do Brasil), João de Izaias, José Elói, Cícero da Compesa, Idelfonso Lima (hoje vereador), etc. Após esta geração tivemos diversos outros bons jogadores de futebol, alguns com capacidade de se tornarem profissionais, como exemplo citamos o saudoso Zé Miguel... Todavia diversos outros talentos se perderam por falta de oportunidade.















domingo, 16 de agosto de 2009

TUPANATINGA SAUDA SEU PRIMEIRO FILHO SARCEDOTE



Foi neste domingo, 18 de julho, no Ginásio dos Esportes de Tupanatinga, que a Diocese de Pesqueira realizou a ordenação Sacerdotal de n. 100, o jovem LUIZ BENEVALDO DOS SANTOS.

Foi um acontecimento de importância histórica para a comunidade por ser o primeiro Jovem da Cidade a se ordenar Padre, motivo este que levou quase toda comunidade a prestigiar e participar da primeira celebração de ordenação da Cidade.



Benevaldo, filho dos agricultores João e Clara, nasceu em um família que viveu as dificuldades impostas a todos os lares, mas que conseguiu superá-las.

O avô materno, Manoel, conhecido por “Buzugu”, era uma pessoa de simplicidade fora do comum, assemelhando-se a uma criança cheia de bondade, fraternidade e que jamais foi visto com um semblante tristonho ou insatisfeito com a vida.
Suas avós eram exemplos de vida. A primeira, sua avó materna Mãe Biu, que durante as décadas de 50 a 80 ajudou a vir ao mundo, através de suas mãos leigas, centenas de filhos de Tupanatinga, além de ter transmitido a todos seus conhecimentos sobre medicina alternativa.
A outra foi sua avó paterna, Dona Antônia, fiel cristã que foi um exemplo de mãe e de mulher que vivenciou a sua fé.
O Pe. Benevaldo sempre buscou ajudar a Igreja com os pequenos trabalhos, creio que a partir daí ele foi buscando o seu ideal de vida, até assumir a caminhada rumo ao seu sonho.
Essa aspiração foi sendo construída aos poucos com os trabalhos pastorais na paróquia, onde serviu como catequista e animador de comunidade, mas que foram se ampliando, sobretudo, com os estudos filosóficos, teológicos, bem como com a sua convivência nas comunidades por onde passava, despertando nele uma espiritualidade marcante e firmando sua liderança sobre os demais.

Esse crescimento espiritual e pastoral era percebido nos seus regressos a nossa paróquia, quando sempre podíamos contar com o seu auxílio e opinião acerca das coisas que aprendia, pois fazia questão de repassá-las. Tudo isso criava uma amizade mais sólida com todos os nossos paroquianos.
Dois dos fatores marcantes que contribuíram na caminhada de Benevaldo foram sem dúvida o acompanhamento e os conselhos dados pelas Irmãs Pastorinhas. Elas desempenharam um papel importante para o fortalecimento de sua fé e de seu modo de pensar o mundo, corrigindo-o nas atitudes que fossem necessárias, mas parabenizando-o por seu exemplo de vida.
O outro fator importante foi sem dúvida a sua aproximação e amizade com o padre Adilson, promotor vocacional, que o ajudou a enxergar as necessidades da Igreja e o despertar para o amor verdadeiro ao Cristo e o acompanhamento do padre Eduardo, com seu exemplo de vida e oração, sua simplicidade marcante estava completamente coerente com aquilo que pregava e vivia.

Tupanatinga se alegra pelo primeiro filho da terra que se torna Padre Diocesano. Seus irmãos esperam do novo sacerdote, uma vida de oração pautada por um imenso amor ao Crucificado e sempre preocupado em dar um testemunho coerente com a Palavra de Vida revelada, pregando aquilo que vive e vivendo aquilo que prega. Sendo, desta forma, um exemplo para que outros jovens possam abraçar este antigo e sempre novo jeito de caminhar rumo ao Deus Amor.
Hoje, o Padre Benevaldo se apresenta como fruto da oração de seus familiares e daqueles que vivem o Evangelho a serviço da comunidade.

João Paulo da Silva