domingo, 11 de julho de 2010

FESTA DE SANTA CLARA: IGREJA PROPÕE DISSOCIAR A FESTA DAS COMEMORAÇOES RELIGIOSAS
































As festas de Padroeira são manifestações culturais de suma importância devido seu forte contexto cultural, religioso e histórico que denota toda tradição, usos e costumes, saberes e fazeres de uma comunidade.

Em nossa Cidade a padroeira é Santa Clara cujos festejos se realizam no mês de Agosto, com balões, banda de pífano e parque de diversões. Nas noites se apresentam grandes bandas de músicas, de todos os gêneros. As manifestações religiosas são compostas por missas, quermesses , novenas e procissões.

A escolha da Santa como padroeira da cidade foi feita pelos Senhores Felipe Néri e José Silva, primeiros proprietários e fundadores do município.


A Tradicional festa da padroeira Santa Clara, que também é nome da Cidade Tupanatinga (TUPANA=SANTA, TINGA=CLARA) já foi um evento exclusivamente religioso, onde as novenas, missas e adorações eram as principais atividades da festa, mas ao longo dos anos o evento foi se modificado com a mistura das comemorações sagradas e profanas. Hoje, vê-se associado a ela, uma grande festa de repercussão em toda região, onde seus atrativos são os shows de bandas, grandes variedades de barracas de bebidas, comidas, e vários outros atrativos.

As comemorações profanas da festa são realizadas logo após as celebrações religiosas.
A importância deste evento para o Município tem se caracterizado pela sua dimensão sócio- cultural.
Atualmente este evento é um dos mais tradicionais na região.

A Festa da Padroeira de Santa Clara, a popular festa de Agosto em Tupanatinga, já é uma agenda cultural na região. Dissociar este evento das comemorações religiosas não será tarefa fácil, é o que pretende o pároco da Cidade, Padre Antonio Ferreira:

A nossa proposta com base na nota pastoral e na palavra de Deus é que a festa de rua seja dissociada da festa religiosa.”

Segundo o Pe. Antonio, esta mudança já ocorreu em outras comunidades e objetivo não é desprestigiar a festa tradicional, mas é torná-las menos apelativa e mais familiar, aproximar a família cristã que estão se distanciando das obrigações religiosas:

“A festa da nossa padroeira é uma festa cristã e não pagã. É um momento de confraternizar as famílias, de conversão, de imitar as virtudes e a vida da Nossa Padroeira. Como podemos chamar de “Festa de Santa Clara”, uma festa onde vendem bebidas alcoólicas, onde bandas que só exibem músicas apelativas ao sexo e ao amor humano, são chamadas para atrair a juventude”.
Padre Antonio Ferreira. Pároco da Cidade.

Com base nos argumentos do Pe. que é uma decisão da Igreja, faz-se necessário que as autoridades responsáveis pela organização da festa, proponham um diálogo para que a realização deste evento que já somam mais de cinco décadas em nosso município, possa continuar com participação tanto do sagrado quanto do profano sem haver a descaracterização de ambos,já que o grande objetivo deste evento seja de fato a integração da família Tupanatinguense, proporcionando entretenimento, cultura e laser a toda população.

Realizar também mudanças nas programações, incluir participação da nossa cultura local, exposições de estandes com obras de nossos artesões, bordados, artes plásticas, pinturas, transformando a festa também um pólo de oportunidades para a população como já é uma realidade em todos os eventos da região.

por Jose Edimilson

5 comentários:

João Paulo Feliciano Magalhães disse...

Embora esteja longe do contexto da festa, o que não me permite uma autoridade maior de argumentar, acredito que se a festa for separada dos rituais católicos de Santa Clara, o grande brilho da festa vai se perder. Entretanto, compreendo que seja complicado para muitos a compreensão desse cincretismo cultural.

João Paulo Feliciano Magalhães. SÃO PAULO, SP

José Luiz disse...

Zé parabéns pela matéria só fiquei na dúvida quanto a tradução de Tupanatinga, mas não vem ao caso, depois você me explica melhor.

Bom a notícia já estava demorando, muitas paróquias tem feito esse tipo de separação, aqui em Monteiro por exemplo a festa é exclusivamente religiosa. Minha opinião sobre o assunto; É necessário um debate sério na comunidade, vale lembrar que a mais de 50 anos a manifestação tem sido uma tradição, álias por muito tempo foi a única festa de rua decente que tivemos em nossa cidade, onde tivemos oportunidade de receber turistas além dos filhos da terra que já tem no calendário a data marcada. (não estou falando dos grandes shows de bandas de "forró"). Os argumento da igreja são plausíveis, no entanto, é preciso ter cuidado, pois como você mesmo argumentou a festa nos ultimos anos se tornou uma vitrine para a nossa cultura, não acredito em posições radicais e medidas intrasigentes, acredito no debate e na negociação para que haja sempre um meio termo. A festa é religiosa é sim, mas também abriga manifestações proprias da comunidade, não concordo em fazer da festa um momento exclusivamente profano, porém não vejo mal nenhum em além da programação religiosa as famílias se reunirem em nome de nossa cultura, será que lembram do "antigo pavilhão" (quem sabe uma a seleção das atrações). Sou católico e Santa Clara tem sido sempre referência na minha caminhada.

Moises Alcantara disse...

Temos que tomar cuidado com este assunto,para se fazer isso devemos realmente fazer um debate sério com a comunidade,ver a opinião da sociedade em geral.Na minha opinião Dissociar(desagregar)a festa de rua da festa religiosa,estaria tirando o brilho e o cartão "postal" de nossa cidade,porem poderia ser criado em nosso municipio um patio de eventos onde se podese realizar festa de rua sem atrapalhar a festa religiosa de nossa Padroeira Santa Clara...
Moisés Alcântara

Anônimo disse...

essa festa e uma festa boa ,um meio de diversâo e distraçâo para o povo da cidade e tambem comercio. como e uma cidade pequena atrai pessoas de varios lugares

Edivânia Lins disse...

Parabéns Zé pela materia, muito bem colocada. Ao meu ver a igreja não pode dissociar a festa de rua da festa religiosa, pois é uma tradição antiga, o que tem que ser feito é procurar uma maneira que não prejudique a parte religiosa, que no meu ver, acredito que nunca foi prejudicada. Foi estranho o ano passado, senti falta do novenário no mês da Nossa Padroeira.Precisamos pensar como resolver essa situação, buscar junto com a sociedade opiniões para serem analizadas, para que não perca esse brilho que é a Festa de Santa Clara, que foi assim titulada por nossos antepassados. Santa Clara rogai por nós.